Volta à Tailândia – Dezembro 2016

A viagem grande de 2016 ficou guardada para o final do ano, sendo uma das melhores alturas para viajar para o sudeste asiático, fomos visitar o país maravilhoso que é  a Tailândia. Tínhamos 21 dias de viagem planeados para correr o máximo de norte a sul, e sendo um país muito maior do que Portugal não foram demais, chegaram para (quase) tudo. Não sendo possível completar só de mota, alugámos em vários locais para andar o máximo possível e visitar locais que de outro modo não teriamos acesso. Missão cumprida!

Começamos por apresentar o video da viagem, seguido do texto do artigo por partes e respectiva galeria 😀

Bangkok e Arredores

Cidade

Noite em Bangkok
Bangkok é uma cidade de muitos contrastes, que nos leva do mais básico ao mais sofisticado. Passando da zona a velha à zona nova parece uma cidade totalmente diferente, que tanto pode ter um cheiro nauseabundo em algumas esquinas como a melhor comida que já comeram numa qualquer bancada de rua, entre arranha-céus, ou num mercado entre os muitíssimos que existem (assim como centro comerciais), infinitos tuk tuks ou um dos muitos templos. Há muito para ver! É uma cidade fantástica em constante movimento. Um táxi pode ser mais barato do que um Tuk-Tuk, mas é aconselhável experimentar de tudo, vagueiem pela cidade, visitem os templos, o palácio, passeiem de barco, subam ao Sky-Bar, experimentem comida (quase sempre picante). A nossa ida coincidiu com a morte do rei, adorado por todas as pessoas, o que está bem patente por toda a Tailândia com demonstrações de apoio e suporte pelas ruas, faixas pretas/brancas e fotografias, o que fez com que o palácio tivesse uma enormíssima multidão em luto, dentro e fora do mesmo.

 

 Floating Market

Damnoen Saduak Floating Market
A cerca de 40km de Bangkok temos o Damnoen Saduak Floating Market. Pagando uma pequena quantia temos acesso ao mercado flutuante de barco, o que completa a experiência, pois a essência do local reside nisso mesmo. É uma viagem e visita que valem a pena, pela diversidade, por comprar comer um ananás vendido num barco, umas espetadas, ou umas recordações no meio da imensidão de “artesanato” que se vende.

 

Ayutthaya

Uma parte de Ayutthaya
Com diversos templos espalhados por uma larga área, Ayutthaya é uma visita obrigatória, embora um pouco afastada de Bangkok. É melhor acessível por táxi, e facilmente arranjam alguém disposto a passear-vos por um preço diário, com saída e volta de Bangkok.

 

Norte

Chiang Rai

White temple – Chiang Rai
Chiang Rai tem mais para oferecer do que pode parecer à primeira vista. Sendo muito mais pequena do que Chiang  Mai, onde maior parte das pessoas vão, é lá que podemos ver o White Temple, que, espante-se, é pintado à mão por dentro tendo referências a figuras muito recentes de ficção, como os Transformers, Matrix ou qualquer personagem de filme de terror.  É também nesta zona que podemos ver o Blue Temple ou a Black House, assim como muito mais coisas se viajarmos a norte, como por exemplo plantações de chá.

 

Chiang Mai

Encostar a mota na berma…e ver elefantes! Chiang Mai – Samsoeng loop!
A famosa cidade de Chiang-Mai vive à altura da fama. Além de bons restaurantes, mercados e voltas pelo centro, visitámos maior parte dos templos na cidade, assim como o famoso Doi Suthep. Viajando sempre de mota (teve de ser uma CB300F, as V-Stroms eram muito caras 🙂 ) aproveitámos para fazer o Samoeng Loop, o que consiste numa volta de mota à volta da montanha onde se situa o Doi Suthep. A estrada é fantástica, muitas e boas curvas, almoço numa “cabana” em Moncham com uma vista de cortar a respiração aliado a encontros ocasionais com elefantes!

 

Sul

Khao Sok

Paragem para almoço em Khao Sok – O nosso barco
Chegámos a Khao Sok (vila) já de noite depois de uma viagem de “mini-van” atribulada. Tínhamos no dia seguinte a visita ao parque e a expectativa era grande! Com tudo tratado acordámos prontos para um dia em cheio, arrancámos em direcção ao parque e ficámos fascinados com este dia. O parque natural de Khao Sok consiste (embora não pareça) numa enormíssima barragem, que fez alagar as áreas entre os enormes rochedos, o que criou uma zona de beleza extrema, com visitas guiadas de barco e a possibilidade de pernoitar 1 ou 2 noites, com direito a “night safari”. Não teríamos essa hipótese pois íamos direito a sul cedo no dia seguinte, mas a visita de um dia vale MUITO a pena, desde os passeios de barco, a nadar numa água fantástica,  caminhada pela selva, viagem numa jangada de bambu ou visita a uma gruta. A parte melhor: muito poucos turistas!

 

Tonsai&Railay

Praia fantástica de Koh Poda
Viemos direito ás praias com muita expectativa, a verdade é que foi fantástico..e ao mesmo tempo foi horrível. Evitámos propositadamente Phuket e Koh Phi Phi pois estão recheadas de turistas e não é possível ter o “cenário”, por exemplo, da foto acima em Koh Poda (mesmo em frente a Railay). Chegámos a Ao Nang, muito sol e calor, apanhámos o barco para Tonsai Bay (ao Lado de Railay Beach). Tonsai é o refúgio da escalada, e embora a praia de maré vazia não possa ser usada devido ás muitas pedras, tem um ambiente local, nos bares da pequenina vila, muito superior a Railay, um “vibe” diferente, menos turistas. No primeiro dia tivemos uma day trip a várias ilhas, snorkeling, esteve um tempo fantástico e o “guia” era muito muito simpático, estivemos em praias e ilhas desertas, vimos peixes palhaço, lagartos enormes e vários tipos de macacos também em Tonsai, foi tudo óptimo. A parte horrível…foram os 3 dias seguintes. Já depois de visitar Railay, no dia seguinte, a outra day trip que tínhamos marcado correu pessimamente mal, choveu muito,  apanhei uma intoxicação alimentar, que me fez ficar mais 1 dia e meio de cama. Continuou a chover nos 2 dias seguintes, e acabámos por sair em direcção a Ao Nang (muito movimentada), para espairecer, no dia seguinte íamos para Koh Tao. Mas não fomos.. 🙂

 

Koh Samed

Por do sol em Koh Samed
A ida a Koh Samed surgiu como plano C. E ainda bem! A viagem para Koh Tao tornou-se impossível devido ao mau tempo naquela zona, cortaram todas as ligações de barco para a ilha e optámos por pedir o dinheiro de volta, voltando a Bangkok de avião e antecipando os dois dias que estavam previstos para o final das férias, na zona nova. Tínhamos então tempo para decidir onde iríamos mediante a metereologia e descobrimos Koh Samed. De autocarro fomos direitos ao porto de Sri Ban Phe, onde apanhámos o barco para a ilha. Koh Samed surpreendeu-nos bastante pela positiva, adorámos todos os dias, dispensando apenas o passeio de speed boat que não trouxe muitas mais valias. É uma ilha limpa, com praias excelentes, onde TODA a gente se desloca de acelera 110 ou 125cc, bares na praia boa onda e um por do sol muito bonito. É um pequeno paraíso “perto” de Bangkok!

 

Galeria da viagem:

Deixe uma resposta